domingo, 6 de junho de 2010

Trabalho Acadêmico - Contabilidade de Custos

A importância da gestão de custos para a tomada de decisão.

A Contabilidade de Custos possui um papel extremamente relevante e imprescindível para a tomada de quailquer decisão na área gerencial. A sobrevivência de uma organização depende indistintamente de um conjunto de decisões assertivas por parte de seus gestores. A análise dos custos possui um papel protagonista, associado às demonstrações contábeis, sendo muito importante para a administração moderna.
Maximizar lucros, diminuir despesas, identificar os “gargalos” na produção, tais tarefas não seriam possíveis sem o emprego de uma boa Contabilidade de Custos, já que esta ciência estuda a composição, o cálculo dos custos e observa os resultados no processo produtivo.
Sem uma Gestão de Custos bem ajustada, dificilmente os gestores conseguirão traçar um plano que consiga permear e alcançar os objetivos esperados pela organização, desenvolvendo plenamente o potencial da empresa no nicho de mercado em que a organização esteja inserida (fatores externos), e também consiga sanar problemas de ordem interna.
Não levar em conta, nem analisar os custos de um processo produtivo é caminhar numa prancha que só leva os administradores e a própria organização a serem lançados em um oceano infestado de tubarões vorazes pelo sangue de gestores despreparados, ou seja, o mercado e a concorrência.



A Contabilidade de Custos é como um chip processador de informações em um computador, o coração de uma máquina pensante, responsável por analisar e interpretar os dados obtidos, organizando-os de forma sucinta, gerando informações plausíveis que atendam aos gestores.

Segundo Biman e Dyckman (1971) p.18 a função da Contabilidade de Custos é atuar como um arquivo onde a informação é armazenada, até que seja necessária.
Para o desenvolvimento de uma boa gestão de custos devem-se colher todos os dados, tanto internos quanto externos, sendo monetários ou não. Resulta da combinação dos dados monetários com os dados não monetários o termo: Índice ou Indicador, os indicadores são os parâmetros utilizados na comparação e mensuração dos resultados alcançados com os esperados pela organização.


Fases do processo:

Dados > Contabilidade de Custos > Informação

1 – Coleta dos dados.

Neste primeiro instante são selecionados e coletados os dados internos e externos (como dado interno podemos entender por materiais empregados no processo de produção, estoques, pessoal, etc. Os dados externos são os dados do mercado, do setor de atuação, da economia, atuação do Estado, etc.).
Os dados não poderão ser criados ou supostos, devem ser originais, para formação de um produto consistente em forma de informação.
Todos os setores da empresa deverão cooperar com as informações, sendo assim, objeto de estudo, desde a área operacional até a chamada alta-gestão.

2 – A Contabilidade de Custos como o processador de informações.

Consiste no coração do processo, onde o contador de custos realiza o trabalho técnico, transformando os dados fornecidos pelas mais diversas etapas de produção da organização em informações plausíveis de entendimento e úteis, sendo imprescindíveis na tomada de decisões, como os demonstrativos contáveis e relatórios.

3 – Informações.

Constitui-se como sendo a apresentação dos resultados, é nesta fase em que a Contabilidade de Custos apresenta o produto final, que consiste nos relatórios gerenciais, para que os administradores dos diversos níveis hierárquicos da organização possam gerenciar com maior eficiência e eficácia.
As informações devem ser apresentadas da forma mais elucidativa possível, tornando-se a ferramenta que protagoniza e planejamento, o controle e a tomada de decisões assertivas e coerentes com a realidade da organização, pois a administração tem nos diversos relatórios e demonstrativos contáveis a ferramenta para o controle da empresa.

Com isso pode-se concluir que uma gestão estratégica depende, diretamente, da gestão de custos, que deve contemplar todos os elementos do processo produtivo, levando em consideração todos os setores da empresa para que haja uma administração mais eficiente e eficaz.

Conclusão.




Não possuir uma boa Contabilidade de Custos significa ser como um barco a deriva, prestes a naufragar no primeiro arrecife, mas por outro lado, ter uma gestão de custos em compasso com a gestão estratégica da empresa é navegar pelo horizonte de oportunidades e mercados onde os ventos da boa gestão nos leve.

LEONE, George Sebastião Guerra, custos planejamento, implantação e controle, p.21-26, atlas, São Paulo, 2000.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário